Vitamina D: por que seu filho precisa dela

Vitamina D: por que seu filho precisa dela

Pró-hormônio é essencial para o desenvolvimento dos ossos; baixos níveis podem levar ao retardo de crescimento durante a infância e maior risco de fraturas na vida adulta

A vitamina D é importante em todas as idades, mas na infância têm papel de destaque. Ela mantém os bons níveis de cálcio, é essencial para o esqueleto ósseo, formação dos dentes e atua como pró-hormônio na modulação do sistema imune e proteção contra infecções. 

A hipovitaminose D é comum em lactantes, bebês prematuros e também em crianças e adolescentes. Nos períodos de crescimento acelerado do esqueleto ósseo, lactantes 0-12 meses e adolescentes 9-18 anos são os mais vulneráveis. Nos adolescentes acrescenta-se o fato de estarem no período de formação do pico de massa óssea.

Apesar da exposição ao sol ser a principal fonte de vitamina D, ela é limitada nas crianças. Também é comum a prevalência de hipovitaminose D não corrigida pela alimentação, já que o micronutriente está presente em pequenas quantidades nos alimentos. Sabendo disso, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) orienta sobre a necessidade e indicação formal de suplementação de vitamina D.

E como ficam os bebês? 

Bebês em aleitamento materno exclusivo também precisam suplementar vitamina D? A recomendação atual da SBP é que sim, todos os bebês devem receber suplementação de vitamina D, chamada de suplementação universal até os dois anos de idade.

Para recém-nascidos, a recomendação da SBP é a de suplementação de 400 UI de vitamina D/dia, a partir da primeira semana de vida até 12 meses. Para os prematuros, deve ser iniciada em recém-nascidos com mais de 1.500 gramas e tolerância à ingestão oral. A suplementação de 600 UI/dia é indicada para crianças dos 12 aos 24 meses, inclusive bebês em aleitamento materno exclusivo.

Ainda que bem suplementados, é importante oferecer para o pequeno uma alimentação colorida, saudável e balanceada composta também de alimentos que contenham vitamina D, como sardinha, salmão e atum, gema de ovo, leite e derivados. Mas, vale destacar que a dieta por sí só é capaz de suprir apenas 10 % das necessidades diárias, segundo o especialista.

Levar a criança para brincar ao ‘ar livre’ aumenta a exposição ao sol e produção pela pele de vitamina D, mas o uso de protetor solar é indispensável para evitar queimaduras, o que reduz a produção da vitamina. A Academia Americana de Pediatria e a Sociedade Brasileira de Pediatria orientam evitar a exposição direta ao sol em crianças abaixo de seis meses. De seis meses e dois anos, o uso de filtros “baby” e maiores de dois anos os “filtros infantis”.

Diante de tantas limitações a suplementação de vitamina D é recomendada no Brasil para todas as crianças da primeira semana de vida até os dois anos de idade. A consulta regular ao pediatra é importante para uma adequada orientação sobre a alimentação, exposição solar e uso de suplementos de vitamina D pela criança, finaliza. 
 

Bibliografia

Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Deficiência de vitamina D em crianças e adolescentes, 2014.

Sociedade Brasileira Pediatria (SBP). Guia Prático de Atualização Departamento Científico de Endocrinologia. Hipovitaminose D em pediatria: recomendações para o diagnóstico, tratamento e prevenção Nº 1, Dezembro de 2016.

Sociedade Brasileira Pediatria (SBP). Documento Científico dos Departamentos Científicos de Dermatologia e Neonatologia. Atualização sobre os Cuidados com a Pele do Recém-Nascido. Nº 11, 27 de Maio de 2021.

Fonseca CRB, Fernandes TF. Puericultura: passo a passo. Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), São Paulo, 2018.